Monday, June 8, 2009

Uma jornada pessoal


Em novembro de 2007 eu estava me preparando para entrar no meu ano 5, que segundo a numerologia, era o ano da ousadia, então, quando ele finalmente chegou em março de 2008, eu ousei largar a vida ordinária de São Paulo, para mudar para Austrália, literalmente o fim do mundo. Ousei também aprender uma nova profissão (chef patissiere), reaprender a atravessar a rua (em mão inglesa), lavar roupa em saco de roupa sensível para não estragar, tomar complexo B para não acordar mau-humorada, apreciar chás e infusões, assumir minha espiritualidade e minha humanidade passível de erro e acerto.
Fiz as pazes com o meu corpo, com as sardas do meu rosto e agradeci por ter nascido brasileira. Aprendi sobre alimentação orgânica e sobre uma vida saudável e também a comer porcarias com gosto e sem culpa. Aprendi que comida foi feita para nutrir não só o corpo mas também a alma, para fazer as pessoas mais felizes e que nossa relação com comida diz muito mais sobre nós do que julgamos estar exposto. Aprendi que a natureza cura e que pessoas precisam de pessoas.Eu me permiti experimentar o novo: pulei de paraglider na Nova Zelândia, decorei meu quarto de branco, reuni amigos para comer, aluguei meu primeiro apartamento, chorei de solidão, me refiz, caminhei, caminhei e caminhei, fui para a praia numa terça-feira ensolarada, cabulei aula so pelo simples fato de estar de saco cheio, senti nostalgia, presenciei meu melhor amigo assumir a homossexualidade e senti dor, presenciei meu melhor amigo começar a namorar meu outro amigo e senti ciúme, cozinhei para o ex-chefe do namorado do meu melhor amigo e quis comê-lo vivo, fiz planos sobre voltar, fiz planos sobre ficar, sonhei, comprei uma versão do kama sutra para mulheres e gastei dinheiro com revistas femininas e livros de culinária que eu nunca compraria no Brasil, desenhei retratos em carvão, tomei meu primeiro vinho de sobremesa e gostei, tomei uma garrafa de tequila com meus amigos jogando verdade ou desafio, perdi várias vezes e por isso, mandei uma mensagem obscena para um cara da escola, admiti defeitos,comi comida indiana, comi comida persa, comi comida coreana, comi comida paquistanesa, comi comida taiwanesa, comi comida filipina, fiz amizade com uma filipina obstinada, fiz amigos companheiros, me reconciliei com outros amigos, morei com 10 flatmates numa mesma casa caindo aos pedaços, vi cangurus e koalas, dei consultas espirituais, tratei de pessoas, vendi dua pinturas, ganhei uma família diferente da que eu imaginava e nada aconteceu de maneira convencional, da maneira como mostram os filmes. Não foi uma história de filme, mas digna de um livro. A jornada continua e eu continuo a escrever...

2 comments:

Anonymous said...

Simplesmente lindo... simplesmente você... simplesmente amor... simplesmente eu amo você!! (Thá)

virgemaos24@hotmail.com said...

Fizeste o convite e decidi aparecer.. Acho que és a minha nova heroina.. Tb eu sonho em deitar tudo para o tecto, mudar de profissão, mudar de país, mudar de vida.. Disseste que eu era corajosa, n podias estar mais enganada. Corajosa és tu por teres feito tudo isso.