Thursday, June 25, 2009

Lixo de banheiro é um desabafo



Preciso desabafar... não adianta... estou tensa... duas palavras para vocês: MY PRECIOUS!


Se você assistiu ao Senhor dos Anéis sabe de quem eu estou falando, na verdade, postar isso é como ser protagonista de Risco Duplo e rezar para não me pegarem... pois então, imagine o Smeagol em versão feminina te enchendo a paciência a ponto de fazer do seu quarto uma jaula... tudo para não ter que escutar a mania incessante de reclamar de tudo... pois é... MY PRECIOUS ressucitou... para fazer da minha rotina, digo, a do Frodo uma batalha!


Meu pai sempre me ensinou que crítica por si só nunca é construtiva porque não oferece solução... lembra daquele processo diga uma coisa boa, depois vomite o ruim e termine com a sobremesa: algo doce e agradável... se a gente só vomita o ruim, dificilmente as pessoas vão querer voltar ao restaurante... e isso é com tudo na vida.

Aprendi quebrando a cara que gente que reclama muito passa a vida inteira reclamando e ninguém gosta de gente assim. Reclamar é doença.

Ou seja, quem reclama de tudo e critica os outros afasta as pessoas, porque chega um ponto que por mais que se goste do reclamante, a situação fica insustentável e para não ouvir mais a respeito e preservar a convivência, o silêncio é a saída.

Nesse trajeto rumo à solidão são sacrificados os melhores momentos que se pode ter com alguém, sacrifica-se a amizade, a camaradagem, a compreensão com o outro e mesmo a capacidade de enxergar e valorizar coisas boas que são feitas todos os dias.

As pessoas vão se fechando por não saber como lidar.

Minha mãe sempre disse que solidão é triste e que gente sozinha tem mania de se apegar às coisas, de ficar metódico e severo com parâmetros, ou seja, fica um chato.

Pior que isso é só saber falar de si mesmo e querer que os outros falem de você, egocentrismo, está ligado? Não importa se a conversa é sobre o jardim da Flor, a pessoa, no caso, falará do SEU vaso de orégano.

My Precious ganhou esse apelido dos meus amigos, sem que eu tivesse dito uma só palavra e o negócio pegou de tal forma que não falam mais o nome da dita cuja... é My precious pra lá, My Precious pra cá e enquanto eu estava sofrendo em silêncio, todo mundo já tinha percebido...

Eu não estou sabendo muito bem o que fazer, segundo minha irmã "faça cara de palmeira... você sabe como é, não sabe?". Pois então... estou correndo o risco de criar raízes na sala e derrubar um coco, pois essa é a única cara que estou usando ultimamente... abanando minha folhagem.

Conviver com alguém de perto é isso... você acaba descobrindo que sem maquiagem todo mundo tem defeito, o bizarro é que dá para entender exatamente o que faz as pessoas correrem dela... eu mesma correria. Não pelos defeitos em si, mas por não permitir que o outro também tenha os seus próprios defeitos e seu tempo para lidar com eles. Acho que isso é o que assusta mais.

No começo, achava que fossem hormônios, vulnerabilidade, qualquer fator assim e ficava que nem uma tonta agradando para não desagradar. Mas depois passou a ser simplesmente um chute no peito essa coisa de ser imprevisível e querer controlar os outros, você sofre e fica quieto sem saber de onde veio. Quando a gente fica tolhindo a liberdade do outro, a vida vira uma obsessão e o menor gesto como acender ou apagar uma luz provoca terror. Ou seja, estava mesmo aterrorizada... não acendia a luz porque gastava luz, se apagava a luz também estava ruim porque ia queimar a lâmpada. Me explica???
Depois tem o lance do lixo de banheiro... não temos lixeira no banheiro porque My Precious doesn't like it, tínhamos um saquinho transparente... agora me fala se o seu lixo de banheiro ficasse ali para excrutínio público, como você se sentiria quando expostos estivessem seus cotonetes usados, seu fio dental, as unhas cortadas, etc, etc, etc...

No fim, precisei desabafar e me dar ao luxo de comunicar minha decisão de apertar aquela popular tecla do sistema quando seu cérebro foi violentado na horizontal, na vertical e na diagonal tentando achar uma solução diplomática, não restando saída, lanço mão do FODA-SE... Porque: não é da minha conta redimir os outros, não exijo que andem com as mãos ao invés dos pés, aprendi a pedir e a fazer por mim mesma se me incomoda. Não dou no saco de ninguém de graça, MAS SE VÃO POUPAR A VIDA DO BANDIDO, NÃO MEXA COM OS MEUS DIREITOS HUMANOS... Cada um sabe onde dói o calo. Hoje tenho uma noção exata que é exatamente pelo amor que a gente quer trazer para as nossas vidas que temos que nos melhorar, fingir de santa não adianta, vão te pegar no pulo principalmente se a sua trilha sonora for "por fora bela viola, por dentro pão bolorento"!!! Sou macaca velha nesse negócio de viver na Terra e aprendi que: se está na Terra é porque tem defeito! Então não me venha apontando o dedo porque olha só... meus dentes são pequenos, mas eu sei morder!

Cada um corre sua maratona no seu ritmo por isso chatos de saco, estudem a história do liberalismo "laissez faire, laissez aller, laissez passer, le monde va de lui même" - "deixa fazer, deixa ir, deixa passar que o mundo vai por si mesmo" e por favor, deixem a lixeira no banheiro, eu comprei para isso.

4 comments:

Thaís said...

Bom, to cansada d+ pra falar qq coisa hoje... soh to postando aqui pra vc saber que eu li todos os posts e nao to mais em divida com vc! Bitoca!! (Tha)

Marcos Hemmi said...

Oieee... tb já li o post!! eu ja tinha lido antes... aweaweaweweae
Gostei, "My Precious", vou começar a usar essa nova denominação...
Bjs,

Thaís said...

Ahhhhhhhhhhhhhhh, AGORA eu acho q entendi o seu post!! Entendi?! hehehhe.... Bjoka, belissima... Saudade sem medidas de vc <3

Anonymous said...

Adorei Cyyy! parabens minha linda! vou acompanhar!! Bjinhos, Ju