Monday, June 22, 2009

Mais Perto de Mim



WARNING!!! OLHEM SÓ, ESTOU AVISANDO ANTES: TIVE UMA SEMANA DO BARALHO E CONSEQUENTEMENTE MEU POST ESTÁ UM TANTO INTANGÍVEL. VOU FALAR DE NUMEROLOGIA, ENTÃO SE VOCÊ É DO TIPO QUE SE OFENDE OU ACHA QUE SOU BRUXA, MACUMBEIRA (REALMENTE NÃO ME IMPORTO) OU ACREDITA QUE MEU DESTINO MERECIDO É O INFERNO REITERO QUE: "QUEM DESEJA TAL FIM PARA UM IRMÃO VAI DESCER COMIGO NO MESMO ELEVADOR" E ESSA É MINHA INTERPRETAÇÃO DE MOISÉS NO VELHO TESTAMENTO!



Quatro dias depois... é faz só quatro dias desde sexta-feira... bendita sexta-feira!

Não vou mentir que essa semana foi bem bizarra, até quinta-feira, uma calmaria supeita... daquelas que a gente não entende muito bem o que está querendo dizer. Foi tanto estranha que eu não consegui uma mísera inspiração para postar.

As tentativas foram tão inúteis quanto escrever um anúncio para os classificados de automóveis de domingo, aqueles do tipo em que se tem três linhas de dois centímetros para definir quão maravilhoso é seu Gol turbo plus supercharge total flex 2007 e percebe que gastou mais de duas horas tentando decidir qual adjetivo o descreve melhor... se é o turbo, se é o total flex, se é o supercharge e acaba decidindo por "bolinha prata" que é literalmente como tomar uma bolada na cabeça, ou seja, já que não ia dar samba melhor descer da plataforma e calçar as sandálias da humildade... então esperei para ver se o resto da semana explicaria minha inexplicada inquietude.

Nesse meio tempo choveu o mundo... para variar lá vamos nós re-lavar a roupa que ensopou na sacada após ter sido deixada por inocentes 20 minutos sem supervisão de um adulto... aliás, quem estou querendo enganar, sou eu quem cuida da roupa então, teoricamente a história do adulto fica meio surreal.

Enfim, eu estava me sentindo estranha (daquele jeito estranho que só uma mulher sabe como é e que não adianta tentar explicar, e antes que coloquem a culpa na tpm, vou logo dizendo: "não estava de tpm!" )...Cara tem dias que a mulherada está estranha e pronto... não adianta ficar ficar perguntado o que que está acontecendo. Aliás, um recado para os homens: se vocês têm amor pelas esferas responsáveis pela perpetuação de sua linhagem entre os mortais não digam nunca a palavra proibida"calma" a uma mulher num momento estranho porque ela pode decidir que não é tão importante assim que você continue a procriar e os mastigue como chiclete...(sanguinária??? imagina...) só estou esclarecendo uma questão de auto preservação.

Moving on... a quinta-feira passou arrastada... chegou sexta... dia do mapa numerológico... acordei animada e fui encontrar com o Músico. Cheguei atrasada... demorei para encontrá-lo, comecei automaticamente achar que "não é para ser! Simples, não é para ser e pronto!". Tremo como uma vara verde!

Me deu um puta nervoso quando chegou a hora de mexer nos números de novo... Lembrei da primeira e única vez qu eu fiz numerologia antes e lembrei também que saí inconformada com o que a mulher me disse: "então filha, você tem uns números meio pesados..." parei, respirei, pensei: "ok, ok... e aí??? O que é que a senhora espera que eu faça?" e a resposta "mude de assinatura nos documentos, mude também o número do seu telefone, o número do seu seguro saúde, o número da sua casa, o número de vezes que você vai ao banheiro...". Parei novamente e pensei: "super simples ...basicamente, tenho que nascer de novo!". Adotei algumas coisas do que ela disse, mas no fim, não fluiu fazer tudo e de quebra ficou uma pulga atrás da minha orelha... o que fazer com aqueles números pesados? O que fazer quando sua vida não é simples? Eu queria uma explicação mas estava tão sugestionada que não forçaria essa resposta até que eu estivesse pronta para olhar o assunto de uma perspectiva mais saudável e destacada.

Então já que a segunda vez aconteceu sem forçar, eu fui despretensiosa ou melhor fui esperando algo meio previsível, seguro e simples que pudesse me esclarecer o que fazer com esses números, era minha única pergunta concreta. Nessa hora meu coração começou a bater como uma britadeira... e toda a estranheza fez sentido. Eu estava indo colocar a mão na merda... Eu não sabia o que estava por vir.



A sessão foi como abrir a porta de um armário de coisas velhas que estavam ali pedindo para ser doadas ao Exército da Salvação. Eram coisas que eu não podia mais ignorar que estavam lá e que eu nao sabia bem o que fazer delas. Encarei o fato de estar gelada frente a um estranho como uma oportunidade de aliviar aquele peso, mesmo que significasse sair da zona de conforto.


Falamos, enxergamos, esclarecemos, não foi fácil nem confortável em nenhum momento... mas depois que saí de lá, algo mudou... para pior e logo depois para melhor... Foi como se algo muito profundo tivesse se transformado sem que eu me desse conta e os números foram a menor parte de tudo. Eu não tenho uma explicação plausível.

Acho meio dispensável dizer que por um momento achei que estivesse louca (e sei que podem estar se perguntando por que eu duvidaria de algo que está mais que comprovado, mas a maioria dos loucos acredita que existe alguma sanindade em si mesmos e eu não sou diferente) e talvez até passando por uma transformacão mutante... fiz perguntas do tipo: "o que estou fazendo na Terra?"e "Por quê?" e logo depois exclamações: "Nada faz sentido!", "Oh Deus quanta merda!"... mas depois de sentir meu corpo cansado e dolorido como se eu tivesse apanhado de agentes da Inteligência Britânica (o tipo de surra que dói mas não deixa marcas) eu dormi, acordei e o dia seguinte começou sem que eu tivesse tempo de pensar muito no meu dia anterior o que me fez considerar que aquilo era proposital.

O que ficou para mim foi ele me dizendo que a maior lição que eu poderia aprender com os australianos é o amar-se a si mesmo e é bem isso... australiano se preocupa pouco ou quase nada com a vida dos outros, se você quiser andar fantasiado de rena, o problema é seu! Você não é melhor ou pior por isso, você é simplesmente uma pessoa com algum motivo para andar na rua como um ajudante do Papai Noel. Nessa mesma noite, quando estava subindo as escadas do prédio escutei no ouvido Eu Preciso Dizer que Te Amo como se o próprio Cazuza estivesse ali cantando para mim e achando tudo aquilo engraçado demais. Cantei junto baixinho e baixei minha guarda.

Eu passei por um mini exorcismo, é verdade, mas como foi para melhor, eu desencanei de ficar com medo. Duvidei dá bênção até o último minuto, mas como sei que sou minha maior ameaça, eu duvidei porque doeu. Eu fiz o melhor que pude para me ajudar e vou fazer enquanto eu tiver tempo para isso! Conselho básico: se está muito parado, desconfie e segure a peruca porque muito provavelmente vai precisar de força nela!.
Talvez eu não consiga apagar as linhas estressadas das palmas das minhas mãos agora, mas eu vejo que um conhecimento retirou um dos muitos véus que cobrem minha visão e alguma claridade me banhou os olhos. Não chorei. Estou um passo mais perto de mim.

O dia está lindo... pelo menos por hoje, viver não dói.

6 comments:

João said...

As vezes ... Viver não doí ... Mas o que doí é vc encarar seus medos de frente ... Senti-los ... Processa-los e utilizar a energia oriunda desse Processo para a nossa própria Evolução.
Eu sei ... eu sei ... Falar é muito fácil ... MAS ... Se tentarmos ... Conseguiremos com certeza !!!
Quando comecei a ler seu post, vc disse que ele estava meio "intangível". Eu acho que esse ano Solar está colocando as pessoas cara a cara com tudo o que lhes preocupa e sempre pareceram "intangíveis". Sinto isso em todo lugar. Portanto, não se culpe se vc se sente assim ... Porque pelo menos no meu circulo ... TODOS estás assim ... Intangíveis ...
Abraços e Continue com o seu WalkAbout ...
Johnnie®

Ciça said...

Cy...
Vi seu link no msn da Thatão.. nunca mais nos encontramos ..rss
Parece que eu vejo vc escrevendo sabia.. Saudadinhas boas... tava falando com a Prf Carmen da Casper e ela me perguntou de vc..

Pode deixar q serei uma visitante frequente!!

Saudades..
bjss

Ceci

flores na janela said...

Viva a vida com vontade de viver.
eu adoro seus textos.
Vc se lembra de mim?
Eu sou cunhada do Mark, esposa do Kendi.
bjs
estou ansiosa pelo próximo capitulo da saga da moça que ainda não sabe que viver por viver é uma lei da vida, e que não adianta se fechar para o mundo e fazer cara de paisagem, as coisas nunca saem do lugar elas estarão sempre lá para serem resolvidas encaradas e nos dar motivos para rir ou chorar.

MaMoriMata said...

Oi Pamela, claro que lembro de vc! Aliás, fico feliz que estes textos tenham te tocado de alguma forma. Era esse o intuito!
Depois preciso agradecer o Mark pela propaganda... hehehe
Como te disse, algo mudou em mim e não sei explicar... estou mais viva... talvez um pouco mais sarcástica e mais tolerância zero com algumas coisas, rindo e chorando, vou levando. Obrigada por visitar e me leia sempre que puder... os blogueiros anônimos como eu agradecem!

Thaís said...

Bom, vc falou p eu ler o seu post pra entender o lance dos numeros, mas eu nao entendi nada. O importante eh q vc tá bem! Big love! (Tha)

MaMoriMata said...

Tha... entao... pra vc ver nem eu entendi o que aconteceu, mas sei l'a foi bom... me deu alguma claridade... nao sei explicar, mas at'e explicar que eu nao sei o que aconteceu melhor escrever ma vez so do que ficar explicando algo inexplic'avel v'arias vezes... tendeu?