Thursday, June 11, 2009

Pata Negra e Café Morno


Acordei de manhã mais cedo do que os periquitos que moram na árvore aqui do lado de casa para mais uma vez cumprir minha penitência semanal no programa de gerência do LCB. Não é pela escola em si, mas pelo fato de estar localizada depois de onde Judas perdeu as meias, porque de verdade, as botas já foram faz tempo...
Saio do meu pijama de flanela (minha melhor arma contra esse frio desgraçado) para entrar no meu uniforme de quinta série, perdão, digo, de gerência. Ajusto a gravata (sim, até as mulheres têm que usar gravata, no começo incomoda um pouco, mas depois acostuma-se), escovo os dentes e sem café-da-manhã saio para o ônibus das seis e pouco.

TEC TEC TEC ( batem os dentes dentro da minha boca)! Espero, espero, espero e junto com outras simpáticas pessoas castigadas pela necessidade de tomar condução australiana antes do sol nascer, percebo que a grande bola amarela que determina o começo de mais um dia para os mortais surge brilhante diante da minha cara sonolenta sem diminuir o frio que insiste em transpassar os pontos das minhas três calças sobrepostas.
Exclamo mentalmente:"Mas pô! Que que tá havendo???"
Seis e quinze, nada, seis e vinte nada! E noto que a grande bola amarela não está lá por acaso, já deu a hora dele subir faz tempo!
Percebo as senhorinhas que solidariamente passaram o mesmo frio da madrugada que eu se movimentarem inquietas com a linguagem corporal dizendo "ondé que está o o bloody ônibus? (senhorinhas australianas não falam palavrão e se palavra energúmino tivesse uma tradução literal elas a usariam no lugar da palavra merda (que no caso tem tradução literal).
Mas como não sou australiana, posso me valer de quantos palavrões eu quiser para expressar minha indignação!
E aí, minha louca (e para o horário, preguiçosa) mente feminina começa a se articular... UIIII PERIGO!
Pensamento # 1: curse the bus
Pensamento # 1 e 1/2: pensar na minha cama quentinha
Pensamento # 2: não tenho prova amanhã, tudo feito, não tenho nada importante marcado para hoje e não vão me deixar entrar antes das 10 de qualquer jeito já que vou chegar atrasada...
Pensamento # 3: HA! Com esse frio não vou para aquela lonjura nem a pau Juvenal!!!

E logo em seguida penso de novo: "mas já faltei uma vez sem motivo, os céus podem decidir que se eu faltar hoje, no caso futuro de uma gripe suína ou pata quebrada vou ter que me arrastar para a aula de qualquer jeito para não ser denunciada à imigração e posteriormente deportada como um traficante argentino que que jura que o presunto no porta-malas é um Jamón Pata Negra valiosíssimo e não um ex-cliente angolano.
E lá vai minha mente de novo: "cabular, não cabular, pata quebrada, Pata Negra, traficante argentino, deportação deste corpo para o Brasil, a cara de desgosto da minha mãe, os cabelos brancos do meu pai, ahhhhhhh chega!!!!!! Decidido, Espero o próximo ônibus e se não passar é um sinal divino! Não tenho, ou melhor, não devo ir para Ryde!
Tchan, tchan,tchan,tchan!
Devagar e engasgando chega o busão das 6:35 às 6:45... Subo contrariada por saber que não há uma greve dos motoristas acontecendo e que eu não recebi um sinal divino para voltar a dormir!
ÀS 7:10 chego no centro para pegar o próximo ônibus e correndo pela rua como quem vai tirar a mãe da forca chego no segundo ponto de ônibus UHUUUU o 520 ainda está lá parado no ponto!!!
Chego na porta, mas para variar, ele não abriu porque já tinha aberto uma vez e eu não estava lá... ou seja, mesmo com cara de please sir, please, ele disse que não ia abrir e fiquei no frio mais 20 minutos esperando o próximo! (Vontade de xingar??? imagina...) (Vontade de voltar???... imagina...)
Mas para quem estava no frio com os dedinhos do pé congelados, o meu quase sinal divino foi meio sinal! Então, mesmo semi congelada como um lombo recheado na geladeira e empacotada para viagem como um, eu fui para a aula, atrasada mesmo! E como não iam me deixar entrar antes do morning tea (sim, temos um intervalo com esse nome em pleno século VVI onde a maioria das pessoas dejejuam um cigarro e um café) decidi quebrar a regra do chá e contribuir com os lucros da maior contradição do universo que é a cantina da minha escola de GASTRONOMIA e hospitalidade!
Com isso, quero dizer que o sistema prisional australiano deve comer tão bem quanto os estudantes da minha faculdade, com a diferenca que eles fizeram várias coisas erradas e comem grátis enquanto gente honesta que acorda às 5 da matina para esperar um ônibus que não passou tem que pagar 7 dólares por um café semi quente (sim, esse é o nome que eles dão para morno e ainda se gabam por isso) e uma filo pastry de recheio verde duvidoso.

Enfim, café, massaroca verde e caneta verde em punho, me dei ao luxo de me alojar sem sapatos no sofá da student association para escrever sobre mais um capítulo da minha saga pessoal, divisão - coisas bizarras que acontecem de manhã.

Sei que depois de ler tudo isso espera-se que eu tenha uma conclusão sofisticada e filosóficamente rebuscada mas a minha não é!
Na verdade, prefiro terminar o post com um clichê inventado por algum adolescente com hormônimos e desde já me desculpe pela falta do tão esperado decoro social, mas não consigo encontrar nada mais apropriado que dizer: "Não leve a vida tão a sério porque a gente nasceu de uma gozada!"

Cabule o dia inteiro ou pela metade, num nível seguro de deportação e tome um café morno fazendo algo que de fato dê prazer, como por exemplo, tirar sarro de tudo que deu errado nas primeiras horas da manhã, encher a pança de porcarias e escutar Belanova no último volume enquanto ressucita os dedinhos do pé!


NOTAS PÓS ESCRITAS: No fim do dia o saldo estava positivo, depois da aula que passou mais rápido do que eu imaginava, lotamos o carro do Dervish e fomos para Auburn, o bairro dos turcos muçulmanos comer BAKLAVA fresquinha e experimentar o Kesme Maras, o sorvete deles que tem que ser comido de talheres.
Mais à noite, fui com a Rafa consertar meu cel no Warringah mall e comi sushi!!! Tive cãibra nos pés, mas sussa, dedinhos vivos!


FYI: JAMÓN DE PATA NEGRA ou jamón ibérico alentejano de Portugal, de peso inferior ao jamón ibérico, começou a ser produzido para o público recentemente, quando a indústria local começou a lançar e distribuir o produto fora do âmbito local e familiar.


FYI: JAMÓN IBÉRICO: O jamón ibérico procede do cerdo de raza ibérica. As principais características que o distinguem derivam da pureza da raça dos animais, da criação em regime extensivo de liberdade do porco ibérico eM dehesas arborizadas onde podem mover-se, da alimentação e da curação do jamón, que pode se extender de 8 a 36 meses. O jamón ibérico de pata negra se distingue do resto por sua textura, aroma e sabor singulares e distintos - mesmo o sabor varia segundo o grau de bellota (fruto ibérico de sabor que pode ir do amargo ao doce) que o porco comeu, e do exercício que o animal fez.
Classifica-se geralmente segundo a quantidade de bellota que o animal consumiu antes do sacrificio. A clasificação oficial permitida para os jamones ibéricos os agrupa em:[1] Jamón Ibérico de Cebo, Jamón Ibérico de Cebo Campo, Jamón Ibérico de Recebo y Jamón Ibérico de Bellota.[2]. - CRÉDITO: Wikipedia.

4 comments:

Anonymous said...

Eeeta vida severina ahahah
:P

Benedita Web said...
This comment has been removed by the author.
Marcos Hemmi said...

ewaweeawewaweaweweaewa
saudades de vc!!!

Rui Correia said...

Adorei.

Especialmente os seus pensamentos se cruzando e chocando enquanto aguardava o onibus!

Escrevo coisas parecidas de ve em quando.

Rui Correia